Categoria: Meditação

O grande equívoco de quem ainda não medita

A primeira vista, pode parecer que sentar-se para meditar, é uma involução de nossa capacidade cerebral. Isso por que, para o leigo, parece que estamos negligenciando nosso potencial de raciocínio e intelecto.

Frases comuns atualmente, como “faça uma coisa de cada vez”, servem apenas para conduzir os novatos na senda do yoga.

Afinal, por que alguém iria querer fazer apenas uma coisa quando nossa “fenomenal mente” é uma ferramenta multidimensional, capaz de lidar com diferentes níveis de atividades ao mesmo tempo?

Ao invés de conhecer e conduzir os processos mentais, por que alguém iria querer aniquilá-los?

Somente quando você realizar a experiência meditativa, perceberá que ela é a ferramenta para que você passe a realizar, ou continue realizando, múltiplas tarefas e atividades, porém com total maestria; com total clareza e foco de todas as possibilidades e detalhes do que está realizando. É como se multiplicassem os seus sentidos e as experiências terão novo significado; é ampliar suas capacidades e potencialidades dentro daquilo que você já realiza e muito, muito além!

Vamos meditar?

Entenda por que fala-se tanto sobre estar no momento presente.

Diariamente repito essa frase para os alunos durante as aulas de Yoga: “Esteja no momento presente”.

Obviamente dentro da nossa condição humana, vivendo neste plano, baseado em espaço/tempo só podemos estar mesmo no momento presente, não há outra possibilidade.

O que quero dizer durante as aulas é para cada um aprender a se sintonizar com o que está fazendo naquela exata experiência. É deixar do lado de fora da sala, os assuntos comuns e repetitivos que permeiam a nossa mente no dia- a –dia, para se beneficiar plenamente da prática do yoga.

O problema atual das pessoas é que sofrem pelo que ocorreu há dez anos e, igualmente sofrem pelo que TALVEZ venha a ocorrer amanhã. Ambas não são verdades reais. Elas são simplesmente jogos da mente entre memórias e imaginação.

Isso significa que para encontrar paz mental você precisa aniquilar sua mente? Claro que não!

Simplesmente significa que você precisa estar no comando dela. Sua mente carrega uma enorme reserva de memórias e a incrível possibilidade da imaginação que são resultados do processo evolutivo de milhares de anos.

Se você pode utilizá-la da maneira que deseja e colocar de lado o que não deseja, a mente pode ser uma ferramenta fantástica! Querer apagar o passado e negligenciar o futuro seria banalizar essa enorme faculdade que possuímos.

 

Por que sentamos com as pernas cruzadas para meditar?

Na verdade, mais importante do que cruzar as pernas na meditação, é que a coluna permaneça na posição vertical, ereta, para assim liberar a passagem de energia através da sushumna nadí (principal canal energético que passa ao longo de nossa coluna).

Meditação se faz SEMPRE sentada, relaxamento se faz deitado.

O fato de sentarmos próximos ao chão, nos proporciona aterramento e conexão com a energia telúrica, diferente de quando estamos sentados em uma cadeira (embora seja bom para quem não consegue sentar no solo).

As pernas podem se posicionar de diferentes formas, desde o sukhásana (postura fácil) até padmásana (tradicional posturas yogi) ou vajrásana (sentando-se sobre os calcanhares).

Cada corpo é um! A prática do yoga ásana (posturas) ajudará a ganhar flexibilidade e abertura pélvia para esse fim. O importante é que a postura escolhida para meditação seja confortável e não haja inquietude do corpo e consequente inquietude da mente, impossibilitando assim os estados meditativos.

O uso de zufu, almofada para sentar-se é bem vindo, desde que não seja muito alta.Apenas o suficiente para que os joelhos fiquem na altura dos quadris.

Professora Mônica Bergamo

Já parou para pensar se você realmente vive no presente?

O ser humano possui uma tendência em manter seus pensamentos no passado ou no futuro. Mas ninguém pode realmente viver o ontem ou o amanhã. Esses pensamentos nos trazem frustração, ansiedade, depressão e desesperança.

E assim, as coisas simples da vida, mas de grande importância, passam despercebidas e a impaciência comanda nossos pensamentos.

Para mudar seu comportamento, antes de qualquer coisa, procure vivenciar o seu EU no momento presente! Depois, confira as dicas:

– Somos seres espirituais vivendo uma experiência humana com o objetivo de evoluir.

– Temos como guia fundamental desta entidade, a consciência.

– Nada nesta vida é permanente e todos os seres são diferentes entre si.

Diante disto, é vital para o praticante de yoga, fazer swadhyaia (auto-estudo), conhecer seus potenciais e fraquezas, para então tem um olhar diferente sobre as qualidades e defeitos que você vê nos outro.

Não crie resistência interior e frustração diante dos acontecimentos, pois

tudo tem um motivo para estar acontecendo.Esse entendimento leva o ser ao desapego e à aceitação.

– Desfrutar dos prazeres e das suas conquistas, sem ansiedade ou medo de perdas.

– Manter-se consciente de que temos liberdade de escolha.

– Compreender quem não sou para que a realidade apareça por si mesma.

Vença seus medos e viva o aqui e agora! Use sua força interior e exerça sua liberdade de escolha!

Professora Mônica Bergamo

Cochilei, e agora?

Você já praticou meditação e sem querer deu uma cochilada? Se você já passou por isso, fique tranquilo! É muito comum que isso aconteça no início da sua prática. Para que você não desista da prática, confira 3 dicas para melhorar aos poucos esse cochilo.
*A prática da meditação é sempre feita sentada, justamente para que você não durma. Quando sentamos com a coluna reta, fica mais difícil o cochilo aparecer. Lembre-se que a meditação é um exercício dinâmico e ativo, que tem o perfeito equilíbrio entre o relaxamento e a atenção.
* Um organismo intoxicado é um organismo lento. As mudanças alimentares muitas vezes são difíceis de serem feitas, porém, são extremamente necessárias. Livre-se de hábitos ruins como consumo de álcool e cigarro e ingestão de produtos industrializados como açúcar refinado, farinha branca e refrigerantes. Você precisa estar em um estado pleno e claro para que corpo e mente estejam saudáveis.

*Reveja suas horas de sono e especialmente a qualidade destes!

 

Meditação é diferente do yoga?

Segundo a tradição milenar do Yoga, a meditação faz parte das práticas yóguicas, pois yoga não é apenas a parte física, os ásanas, as posturas.
O ocidente se apropriou dessa tradição de maneira um pouco equivocada e por isso algumas pessoas acreditam que yoga e meditação são práticas distintas porém complementares ao mesmo tempo.

Na visão do Yoga clássico, há três etapas finais para se chegar ao estado de Samádhi (a tradução mais próxima dessa palavra sânscrita é iluminação).

São elas: pratyahara, dhárana, dhyána.

Pratyahara é o recolhimento dos sentidos, a interiorização.

Dhárana é a técnica da concentração, foco.

Dhyána é a meditação em si, um estado difícil de ser descrito em palavras, mas que encorajo você a praticar e reconhecer por si só!

Especialistas afirmam que meditação traz benefícios tanto para o corpo quanto para a mente e que a prática pode fazer com que haja melhora do sistema imunológico, diminua a pressão arterial e reduza o estresse e a ansiedade. Promove um desacelerar profundo que ultrapassa até mesmo as vantagens do sono.

A partir daí é que o real benefício do yoga aparecerá, mas isso vai muito além do que a ciência pode explicar.
A relação entre as posturas do yoga e a meditação vem da necessidade de manter os praticantes focados na conscientização de seus corpos e dos movimentos que realizam durante a prática.
Meditar é alcançar o seu interior e melhorar a relação que você tem com seus sentimentos e emoções, tudo na mais perfeita harmonia.

Professora Mônica Bergamo