Tag: #doreyoga

O aprendizado através da dor- um período no hospital

O aprendizado através da dor- um período no hospital

Hoje completam 40 dias em que estou acompanhando meu amado esposo em internação hospitalar devido a um grave acidente que ele sofreu.

Nesse período percebi nitidamente o quão importante o yoga e seus diferentes aspectos são fundamentais para eu conseguir passar por tudo isso como coadjuvante.

Escrevo estas palavras, sabendo o quão banal foram as minhas privações e experiências, diante do que meu marido passou e ainda está passando, mas respeitando sempre a privacidade de dele, apenas compartilho minhas vivências relatando o quanto o yoga, a espiritualidade e a fé foram reforçadas com esta que está sendo a situação mais difícil de nossas vidas.

A resistência física

Tantos anos praticando ásanas (posturas) do yoga, me deram conforto para enfrentar a internação 24 horas por dia desde a UTI ao lado do meu marido, sentada ou em pé, sem deitar ou acomodar devidamente o corpo para um descanso; isso feito com todo o amor do mundo, sem querer ao menos sair de perto dele ou desencostar as minhas mãos de qualquer parte do corpo dele que aceitasse o toque sem dor, com o desejo de transmitir energia e amor que pudessem amenizar as dores excruciantes que o acometiam.

A privação de sono e alimentação

Eu nem imaginava que era possível passar dias e noites ininterruptos em claro. E para mim, que sou super comilona, só percebi que passei fome dias depois. As horas voam diante de tantas intercorrências, que apenas quem já esteve em ambiente hospitalar sabe como são frequentes.

Credito aos ásanas, o mérito por eu não ter sentido nenhum incômodo nas costas, ou coluna, que seriam esperados nessa situação; apenas inchaço nas pernas que foram amenizados logo na primeira vez em que pude me deitar e esticar já no quarto fora da UTI. A cada manhã, mesmo sem ter dormido à noite, minha disposição se renova completamente; quando na UTI, sem luz natural ou janelas, me conectava com o nascer do sol e todo o prana advindo com a aurora para assim retomar a força e esperança necessários para os desafios que o novo dia nos reserva.

As emoções e o poder da mente

Novamente o yoga se faz presente; ver o sofrimento de quem tanto amo e ainda assim não entrar em colapso, foram em grande parte sustentados por anos de meditação e autocontrole. Para mim, que sou educadora física e acostumada a lidar com prevenção, bem estar e harmonia, me deparar com doenças, contaminação e debilidades, está sendo desafiador e chocante em vários momentos.

Houveram situações em que sentia como se “meu corpo físico tivesse se desconectado do corpo sutil”, aonde realizei ações como se meu corpo tivesse dado um passo a frente para enfrentar o que era necessário, porém meu corpo sutil ficasse para trás. É muito louco tentar explicar isso e imagino que para você seja estranho ler a respeito.

A capacidade de agradecer

Sempre digo aos meus alunos, que a meditação e prática de yoga diários me recarregam e dão disposição física e clareza mental. Assim como carregamos o celular diariamente, me recarrego através do yoga. Mas nesse período não tive a oportunidade de fazer essa recarga, não há oportunidade nem mesmo para uma respiração consciente ou meditação de 5 minutos; porém percebi que o “estoque” acumulado em tantos anos foi fundamental para eu chegar até aqui e confiar que seguirei o quanto for necessário neste desafio.

Diante de todo o ocorrido, tive ainda mais forte a presença de Deus, da fé, da espiritualidade e do aspecto humano que nos une e nos conecta. Jamais me revoltei com o acidente, jamais questionei o motivo ou fiquei pensando se tivesse sido diferente. Tenho apenas a agradecer; entendendo o aprendizado que me cabe, as dificuldades e dores necessários para meu crescimento e gratidão por ter em nosso caminho profissionais e seres humanos tão fantásticos, amigos e familiares que nos fazem entender o quão grande ou pequenos somos diante de toda a criação divina.

O renascimento que Deus permitiu ao meu marido, serviu imensamente para mim também; mais do que nunca, sigo com as palavras que tanto gosto de repetir: entrego, confio, aceito e agradeço.